Relatório aponta poluição como uma das causas de mancha verde no Lago Paranoá, em Brasília | ilha FM - Paulo Afonso
últimas Notícias

23 de dez de 2016

Relatório aponta poluição como uma das causas de mancha verde no Lago Paranoá, em Brasília

Mancha verde de cianobactérias no Lago Paranoá, em Brasília (Foto: Reprodução/TV Globo)

A poluição, ocupação desregulada e o excesso de substâncias como fósforo foram responsáveis pela proliferação de cianobactérias e na consequente interdição de parte do Lago Paranoá para o banho e a pesca. A conclusão foi divulgada nesta Quinta-Feira (22/12) na sede da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa). A área foi liberada nesta última quinta-feira para a população. 

“Conclui-se que a proliferação de cianobactérias no Lago Paranoá não está vinculada a um único fator, mas à combinação de diversos fatores naturais e provocados pelas ações humanas, e que estão intimamente relacionados com o uso e ocupação que são feitos do solo em toda a bacia do Paranoá, há muitos anos, tais como ocupações irregulares, desmatamento, impermeabilização do solo, lançamento de esgotos tratados e não tratados”, consta no relatório final da investigação.

A investigação da mancha verde que atingiu 5,5% do lago envolveu técnicos de quatro instituições. As fortes chuvas ocorridas na segunda semana de novembro, no Distrito Federal, escoaram por meio das bocas de lobo e galerias, e levaram para o lago uma carga de nutrientes, incluindo o fósforo, que são essenciais para o crescimento das cianobactérias.

Antes das chuvas, a cidade passou por um longo período de estiagem. Com o nível baixo, houve acúmulo de nutrientes e micro-organismos em áreas de remanso. Ao ter o fluxo da água refeito com as chuvas, esse material foi levado para dentro do Lago Paranoá. O relatório aponta ainda o uso e a ocupação da superfície em toda a bacia do Paranoá. São citados o desmatamento, as ocupações irregulares e a impermeabilização do solo.

O documento sugere a manutenção sistemática das galerias pluviais e a correção de ligações clandestinas de esgoto para minimizar o problema. As recomendações são feitas à Adasa, à Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb), ao Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e à Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap). Entre as medidas já anunciadas pelo governo do Distrito Federal estão o reforço na fiscalização da área e a limpeza de bocas de lobos.


« PREV
NEXT »

Nenhum comentário

Postar um comentário