Andrei Karlov, embaixador russo, morre após ataque na Turquia; veja vídeo | ilha FM - Paulo Afonso
últimas Notícias

19 de dez de 2016

Andrei Karlov, embaixador russo, morre após ataque na Turquia; veja vídeo

Embaixador teria morrido a caminho do hospital (Foto: Burhan Ozbilici/AP Photo)

O baixador russo na Turquia, Andrei Karlov, morreu após ser baleado nesta segunda-feira (19/12) em uma galeria de arte em Ancara, capital do país. Outras três pessoas ficaram feridas, e o atirador acabou morto pelas forças de segurança.

O ataque foi registrado em vídeo. Veja abaixo.


O diplomata foi atingido enquanto fazia um discurso na exposição de arte na capital turca e foi encaminhado ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho. Nenhum dos feridos está em estado grave, segundo o ministro do Interior.

O prefeito de Ancara, Melih Gokcek, afirmou em sua conta no Twitter que o atirador era um policial. A informação foi confirmada pelo ministro do Interior. A agência Reuters havia informado anteriormente que o atirador entrou na galeria com uma identificação da polícia.

No entanto ainda não ficou claro se ele era um policial da ativa. De acordo com alguns jornais turcos, ele seria um ex-policial do batalhão de choque, sendo um dos milhares de militares afastados depois do golpe de estado frustrado de julho.

O ataque ocorreu na véspera de uma reunião em Moscou entre os ministros das Relações Exteriores da Rússia, Irã e Turquia para tratar sobre o cessar-fogo em Aleppo, ao norte da Síria.

Após disparar contra Karlov, Altintas aparece fazendo um discurso para as câmeras. "Não se esqueçam de Aleppo, não se esqueçam da Síria! A menos que todos nós estejamos seguros, vocês não sentirão segurança. Saiam, saiam! Todos aqueles responsáveis por essa opressão e tortura, pagarão por isso", disse o atirador.

Por fim, o atirador ainda gritou "Alahu Akbar" (Deus é Grande, em árabe), antes de ser morto pelas forças de segurança.

De acordo com a CNN Turk, a polícia turca deteve a irmã e a mãe do atirador. A emissora disse que as duas mulheres foram detidas na província de Aydin, no sul da Turquia.

Embaixador

Nascido em 1954, Andrei Karlov foi nomeado para o cargo em Ancara em julho de 2013.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que o ataque ao embaixador russo tenta acabar com as boas relações com a Turquia e um possível acordo pacífico sobre a guerra na Síria.

"O crime é, sem dúvida, uma provocação destinada a barrar a normalização das relações entre Rússia e Turquia e impedir o processo de paz na Síria", afirmou Putin.

Repercussão

O ministério das Relações Exteriores russo descreveu o incidente como um "ato terrorista". "Hoje, em Ancara, como resultado de um ataque, o embaixador russo na Turquia, Andrei Karlov, faleceu", declarou a porta-voz do ministério, Maria Zakharova, acrescentando que "qualificamos o que aconteceu como um ato terrorista".

A Rússia vai exigir a condenação deste ataque ante o Conselho de Segurança da ONU "ainda hoje", disse ela. "O terrorismo não prevalecerá", acrescentou Zakharova, prestando homenagem a Karlov, "diplomata russo excepcional" e "personalidade que fez muito para lutar contra o terrorismo".

O governo americano condenou o ataque, segundo nota oficial do Departamento de Estado.

Segundo o comunicado, Washington "condena este ato de violência, qualquer que tenha sido a origem. Nossos pensamentos e orações estão com ele (o embaixador Andrei Karlov) e sua família".

O porta-voz do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou o ataque: "É claro que condenamos o ataque contra o embaixador russo na Turquia. Nada justifica um ataque contra um diplomata", disse Stéphane Dujarric.

O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, classificou o ataque de "covarde e desprezível".

"Estou comovido após ter sido informado do desprezível assassinato do embaixador russo na Turquia. Meus pensamentos estão com sua família", disse o chefe da diplomacia britânica em mensagem divulgada por meio das redes sociais.

A alta representante para a Política Externa da União Europeia (UE), Federica Mogherini, também condenou o ataque e expressou "solidariedade" à Rússia.

"A UE condena de maneira mais enérgica possível esse ataque contra o representante de seu país na Turquia", indicou Mogherini em mensagem dirigida ao ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, e divulgada em comunicado. "Queremos expressar nossa solidariedade com a Rússia esse ato criminoso de violência", enfatizou Mogherini.

Guerra e Aleppo

As relações entre Moscou e Ancara estão abaladas há tempos em função da guerra, na qual turcos e russos apoiam lados opostos.

Ancara se opõe firmemente ao presidente sírio, Bashar al-Assad, enquanto o Kremlin vem mobilizando tropas e a Força Aérea em apoio ao líder sírio.

As tensões se acentuaram nas últimas semanas, quando forças sírias auxiliadas por Moscou se empenharam em assumir o controle da parte leste da cidade de Aleppo, desencadeando uma grande leva de refugiados.

Ainda não há confirmação se o atirador fazia parte de alguma organização terrorista. No entanto militantes do Estado Islâmico têm estado ativos na Turquia e empreenderam vários ataques a bomba contra alvos turcos.


« PREV
NEXT »

Nenhum comentário

Postar um comentário